Versões Histórico

Versão 3.6b de 02/07/2010

Versão 3.6 de 30/10/2009

Atualização do pacote da versão 3.5 de 16/06/2008

Versão 3.5 de 26/03/2007

Versão 3.4 de 03/02/2006

Versão 3.3 de 25/07/2005

Versão 3.2 de 04/04/2005

Versão 3.1 de 10/11/2004

Versão 3.0.1 de 08/06/2004

Versão 3.0 de 07/05/2004

Versão 2.2 de 06/05/2002

Versão 2.1 de 18/01/2002

Versão 2.0 de 23/05/2001

Versão 1.4 em 02/06/2000

Versão 1.33 em 22/11/1999

Versão 1.32 em 03/09/1999

Versão 1.31 em 12/07/1999

Versão 1.3 em 29/06/1999

Versão 1.2 em 23/12/1998

Versão 1.11 em 06/04/1998

Versão 1.10 em 01/04/1998

Versão 1.0 em 08/03/1998

Versão 0.09 Beta em 17/11/1997

Versão 0.08 Beta em 01/10/1997

Versão 0.07 Beta em 15/07/1997

 

Versão 3.6b de 02/07/2010

 

Correção na função de recuperação de tabulações, na janela de Log.

 

Versão 3.6 de 30/10/2009

 

Implementado no painel de controle de tabulação:

Criado um botão de navegação que permite a escolha do diretório onde se localizam os arquivos a serem tabulados.

Número maximo de arquivos na lista passou de 5000 para 8192.

Implementado na janela de Log um botão que permite abrir o painel de controle de tabulação com as mesmas seleções da tabulação em uso. Esta opção permite, a partir de um arquivo ".tab", recuperar todas as seleções que foram utilizadas na sua tabulação, de modo a permitir a repetição da tabulação original com possíveis atualizações nos seus dados.

Implementado na geração de SQL:

Campos no DBF de saída começados com "VL_" são criados como numéricos (N) com duas decimais para representar valores monetários.

 

Atualização do pacote da versão 3.5 de 16/06/2008

 

Arquivo autoexec.r:

O arquivo autoexec.r do pacote de distribuição do TabWin foi atualizado, pois a biblioteca grDevices não é mais carregada automaticamente nas novas versões do R.

 

Versão 3.5 de 26/03/2007

 

Implementado na conexão com R:

O programa agora procura o R primeiro em um diretório {TABWIN}RBin e, não encontrando, procura a instalação do R no Registry do Windows. Esta opção se destina a permitir a distribuição do R pré-instalado no mesmo ZIP do TabWIn.

A execução dos scripts de R agora se dá no diretório TEMP do Windows o que vai acelerar a execução a partir de PenDrive e viabilizar a partir de CD.

Implementado na janela Mapa:

Implementada a gravação do mapa no formato Windows MetaFile (WMF). A opção é ativada pelo ícone do diskete no painel de ferramentas ou pelo menu Arquivo da janela Mapa. A escala de cores fica em um metafile separado, com o mesmo nome do arquivo principal porém terminando em _esc.wmf. Assim, meumapa.wmf terá a escala em meumapa_esc.wmf.

O barra de título (Caption) da janela agora dá a dimensão em pixels da área da imagem de forma a poder antecipar o tamanho do .BMP a ser gravado ou copiado para o ClipBoard.

Exportação do quadro em formato .XLS adota agora o formato do Excel97.

Corrigido bug que incluia na base do .BMP salvo do mapa 7 pixels que pertenciam a barra de status.

Passa a fazer parte do pacote de distribuição o programa DBF2DBC.EXE, que permite comprimir arquivos DBF em DBC, expandir DBC em DBF e testar a intergridade (CRC) de arquivos DBC.

Este programa substitui os programas EXPDBF.EXE e COMPDBF.EXE, que fazem parte do TAB para DOS e rodavam em 16 bits. O programa DBF2DBC roda em 32 bits e permite tratar nomes de arquivos longos e com caracteres especiais. As funções deste programa podem ser executadas através do próprio TabWin (Menu Arquivo/Comprime Expande DBF), porém a sua existência em separado permite a execução em arquivos de lote (.BAT).

Veja suas instruções de operação.

 

Versão 3.4 de 03/02/2006

 

Implementado na janela Mapa:

Paleta em tons de cinza para facilitar a publicação do mapa.

Botão de escolha de cor para o gráfico de setas de fluxo.

Ao clicar com o botão direito sobre um objeto do mapa base, o TabWin mostra os valores para cada uma das 15 primeras colunas do quadro.

Ao clicar com o botão direito sobre pontos ou círculos gerados gerados como camada a partir de um DBF, o TabWin mostra os valores das 15 primeiras colunas do DBF relativos aquele ponto. Observe que, se várias camadas de pontos foram adicionadas ao mapa, este procedimento vai recuperar somente a última camada representada naquele pixel.

Ao clicar com o botão direito sobre uma seta de fluxo o TabWin mostra origem, destino e demais valores relativos aquela seta.

Implementado na janela de adição de camadas no mapa:

Opção para controlar a largura da linha com que a camada é desenhada.

Implementado do Construtor Visual de Consultas:

Melhor estruturação do código SQL gerado para facilitar a leitura e posterior edição do mesmo.

Implementado na janela principal:

Número máximo de linhas passou de 120.000 para 199.000.

O nomes das colunas em um DBF usado para tabulação podem agora usar letras minúsculas.

 

Versão 3.3 de 25/07/2005

 

Novas implementações e melhorias:

Implementada na janela principal:

Salvar o quadro como CNV coloca o código na frente da descrição de acordo com a opção Quadro/Esconder Chave.

Importar mapa no formato Map Maper Export (.MME).

Nova operação para Normalizar os valores de uma lista de colunas.

Número máximo de linhas passou de 100.000 para 120.000.

Implementada na janela Mapa:

A função Exportar Mapa Base agora permite o formato Map Maker Export (.MME).

Implementada a possibilidade de utilizar arquivos contendo waypoints de GPS, no formato GPX, diretamente como camadas de um mapa.

Implementada, na execução de lotes de consulta SQL:

Substituição de parametros escritos entre < e > a cada linha de consulta. A substituição deve ser expressa, no próprio arquivo de lote, antes da linha da consulta a ser modificada, na forma Nome=Valor, na qual o texto Nome; é substituido pelo texto Valor a cada ocorrência. Se for usada a opção Informe Nome, o programa vai abrir uma janela de diálogo e pedir ao usuário o Valor para substituir o texto Nome.

Implementado o comando CONECTA Nome-do-Banco-de-dados com o objetivo de abrir o banco de dados antes de executar uma consulta. É útil somente com consultas salvas com o nome do banco em branco, exatamente para serem usadas, sem modificação, com vários bancos de dados.

Implementada da Janela de Fluxos:

Opção de mostrar, para cada ponto de destino, um gráfico de setores com a proporção dos eventos de origem externa em relação aos eventos gerados na própria área.

Implementada na Janela de tabulação:

Número de incrementos passou de 50 a 150;

Número de seleções ativas passou de 30 a 50.

Implementada na janela dos esquemas de análise:

Botão que permite carregar no quadro do TabWin dados de exemplo para serem usados junto com o esquema.

Correções:

Corrigido bug que fazia a salva de uma consulta SQL na forma de script de R gerar código incorreto.

Corrigido bug que fazia os arquivos de help do arquivo DEF, com extensão .HLP em letras maiúsculas, não serem mostrados.

 

Versão 3.2 de 04/05/2005

 

Novas implementações e melhorias:

Criada, na janela Query:

Colorização de sintaxe para SQL ajustada ao dialeto;

Indicação de existência de indices para a tabela selecionada;

Opção CNV só aparece quando o dialeto suporta case;

Drag da lista de colunas para lista de tabelas gera SQL com o link;

Construtor visual de consultas (CVC) que permite arrastar e escolher as tabelas, contruir visualmente os links e selecionar os campos para a geração do SQL;

Possibilidade de editar Bancos de Dados STANDARD tanto na janela Visualiza dados quanto através de comandos SQL.

Criada na janela de Mostra DBF:

Opção de gerar arquivo CNV usando as 2 primeiras colunas do DBF. A coluna de largura maior é considerada descrição;

Botão para abrir o DBF dentro de uma seção do R;

Opção de menu Análise com R sobre o DBF;

Fechamento do Form provoca fechamento do DBF.

Criada, na janela Mapa:

Botão de exportação tabela para o Terraview. Necessita TerraView instalado com projeto sobre a mesma área geográfica. (Os projetos relativos a cada UF podem ser obtidos no site do TerraView).

Criada, na janela CNV:

Opção de gerar SQL para Seleção;

Criada, na janela Cria Script R:

Barra de status com posição do cursor;

Colorização de sintaxe para XML.

Reformulada janela Editar arquivo DEF ou CNV:

Barra de status com posição do cursor;

Refeita a geração automática de DEF para perguntar qual o CNV a ser associado para cada campo;

Barra de Ferramentas com botão Full Screen;

Botões para alternar entre vários códigos por linha de descrição e apenas um código por linha;

Menu principal com:

Arquivo

Ajuda

Opções (Seleção modo coluna e Mostra caracteres especiais)

Ferramentas

Editar (Maiúsculas, Minúsculas e Nomes Próprios)

Mudou o conceito e o item de menu: Converte acentos de DBF agora se chama DBF com acentuação para DOS e somente é necessário quando o DBF não contiver página de código. A marca de página de código 2 (FoxPro CP850) ou 37 (BDE PtBR CP850) são sempre mostradas de forma correta.

Help do DEF (janela de tabulação) agora pode ser em html.

 

Versão 3.1 de 10/11/2004

 

Novas implementações e melhorias:

Criada, na janela de mapa, a opção de menu Arquivo/Gravar tabela de fluxo que permite gravar um DBF com os fluxos origem e destino dos eventos na tabela sendo mapeada. Para tal é preciso tabular nas linhas a localização da origem e nas colunas a localização de destino. Os códigos de origem e destino devem ser os mesmos que identificam as áreas do mapa associado. Para viabilizar uma matriz de fluxos a nivel nacional, o número de colunas foi ampliado para 6.000.

Atenção: Uma tabela com 6000 linhas e 6000 colunas contém 36.000.000 de células. Não tem sentido salvar esta tabela que o TabWin não vai conseguir ler. A única forma de aproveitá-la é gerando uma tabela de fluxo.

Criado, na janela de mapa, o botão identificado por uma seta vermelha, e que se destina a adicionar, a um mapa base, uma camada de setas de fluxo cujas coordenadas estão em um DBF gerado pela opção de menu Arquivo/Gravar tabela de fluxo.

Criado, no janela SQL, botão cnv para gerar código SQL a partir de de um arquivo CNV. A execução do código gerado, que será diferente para linhas ou colunas, depende da implementação da instrução case no gerenciador de banco de dados em uso. Isto inclue Oracle, a partir do versão 8i, Firebird a partir da versão 1.5, PostGres e Mysql.

Criado, na janela SQL, o botão BDE, que permite ativar o Borland Database Engine(BDE) de dentro do TabWin para criar, adicionar, editar e excluir bancos de dados não STANDARD. Este botão facilita o acesso ao BDE para uso de bancos diferentes de Paradox, dBase e FoxPro que são criados e removidos diretamente pelos botões Adicionar e remover.

Criado, na janela SQL, o botão Lote que permite executar um lote de consultas SQL que salva os resultados em DBF. O arquivo de lote, com extensão .txt, deve conter, em cada linha, separados por vírgula, o nome da consulta sql e nome do arquivo DBF que vai armazenar o resultado da consulta. Opcionalmente, a linha pode conter, ainda, o valor do parâmetro associado a consulta.

Criado diálogo para configurar atributos da coluna (Cabeçalho, Largura, Decimais e Tipo de total) que é ativado ao clicar com o botão direito do mouse sobre o cabeçalho da coluna.

Foram colocados campos de edição para Título, Subtítulo e Rodapé na janela do quadro para facilitar a visão e edição dos mesmos.

Devido ao item anterior não é mais possível copiar e/ou colar o quadro inteiro para e do clipboard usando os atalhos Ctrl+C e Ctrl+v. Agora é necessário usar as opções do menu Editar ou ativar os botões correspondentes na barra de ferramentas.

Checkbox na tela de log permite desabilitar a visualização automática na abertura do quadro.

Criado, na barra de ferramentas, um botão para abrir o quadro atual, convertido para HTML, no browser padrão.

Refeita a salva de arquivo no formato XLS (Excel) para preservar a largura das colunas e a formatação dos valores numéricos.

Criado, na barra de ferramentas, um botão para abrir o quadro atual dentro da planilha padrão, a que é registrada para abrir a extensão .XLS.

Criada, no DEF, o comando R, para incuir um texto de rodapé nas tabelas geradas. Pode ser usado para identificar a fonte dos dados. Se a palavra período constar do texto do rodapé, os períodos, identificados a partir do nome dos arquivos tabulados, vão ser acrescentados ao final do texto.

Importação de mapa em SHP permite extrair o código de dentro do campo nome.

O função appenda, da LEDBF32, atualiza número de registros do header do DBF cada registro gravado. Assim, mesmo que venhamos a cancelar a operação de adicionar registros ou salvar uma consulta SQL, os registros adicionados até o momento são recuperáveis.

O nome do Banco de Dados foi incluído no rodapé do quadro gerado na Consulta SQL junto com Data e Hora da execução.

A posição e dimensões do form Gráfico do R e do form de Consulta SQL tem seus parâmetros salvos no tabwin.ini e permanecem na próxima execução do TabWin. A opção stretch do Gráfico do R também é salva.

A lista de bancos de dados no formulário de consulta SQL agora fica em ordem alfabética.

Os nomes das colunas que contém as coordenadas de uma camada de pontos em DBF a ser adicionada a um mapa podem ser também X e Y além de longitude e latitude já suportada anteriormente.

Corrigido bug que impedia que tabelas abertas de CDROM pudessem ser copiadas para o clipboard ou transpostas. Assim a criação de arquivos temporários passa ser feita no diretório temporário do Windows e não mais no diretório corrente.

Corrigido bug que fazia com que a movimentação de colunas com o mouse fosse sempre precedida de uma ordenação do quadro pela coluna de origem.

 

Versão 3.0.1 de 08/06/2004

 

Novas implementações e melhorias:

Implementada opção para trocar as linhas pelas colunas no quadro atual. Após a transposição todas as colunas ficam o mesmo número de casas decimais.

Implementada opção de passar na linha de comando o nome de arquivo com extensão SQL. A query é executada na inicialização do TabWin e aparece já carregada no quadro.

Implementada opção para plotar o nome do ponto ao adicionar no mapa uma camada de pontos em DBF, desde que o campo NOME esteja presente do DBF.

Implementada opção de ativar uma consulta SQL a partir da janela de tabulação para atualizar os dados do DBF. Basta colocar o nome da consulta na linha do comando A do DEF, após a especififcação do arquivo e separado por uma vírgula.

Eliminado erro Capability not suported ao salvar Consulta SQL em DBF quando o Bando de Dados fosse MS ACCESS.

Corrigido bug na carga da lista de consultas SQL.

 

Versão 3.0 de 07/05/2004

 

Novas implementações e melhorias:

Implementado a interface com bancos de dados SQL, criada interface para execução esquemas de análise com R, além da importação de dados em XML. Os detalhes dessas novas funcionalidades podem ser estudadas pelo menu Ajuda/Novidades da versão 3.0 , no próprio TabWin, ou na guia específica da versão 3.0 em diante, nesta página.

Os limites para o quadro passam a ser os seguintes: linhas = 100.000 e colunas = 512

Rodapé da janela principal agora com status bar e hint para nome de arquivo muito grande.

Implementada status bar na janela de tabulação e de mapa na qual agora passam a ser visualizadas o nome da área e o valor plotado.

Implementada opção de visualizar e editar o log da tabulação no menu Editar/Editar Log.

A largura do título de coluna foi ampliada de 30 para 60 caracteres.

Criada mensagem de erro quando o resultado da tabulação suprimir todas as linhas por conter zeros.

Titulos persistem em várias tabulações do mesmo DEF.

Camadas de pontos em DBF passam a poder ter o raio do circulo controlado pelo campo RAIO.

Legendas da escala do Mapa são geradas como intervalos de classe e seu texto é editável pelo usuário. Assim os valores das faixas pode ser renomeados textos que descrivam o conceito

A salva em HTML foi passado para o padrão XHTML.

Acrescentada Salva em XML.

Corrigido bug ao incluir tabela com largura maior de chave do que da tabela existente.

Corrigido bug na salva em SQL no caso da descrição da linha conter aspas duplas.

 

Versão 2.2 de 06/05/2002

 

Novas funções:

Para facilitar o uso do TabWin em redes aonde não se dá privilégios de administrador local aos usuários, o arquivo TabWin.ini passa a ser criado no diretório onde está o executável (ou seja, o diretório onde está o tabwin32.exe) e não mais em windows/system. Desta forma, executáveis em diretórios diferentes terão arquivo de inicialização diferentes.

Se, ainda assim, o usuário não tiver direto de gravação, o programa avisa o usuário com a mensagem "e;Sem direitos de gravação para atualizar tabwin.ini"e; e termina normalmente.

Alterado o código para tratar o erro "e;Access violation at address 77F6754B in module ntdll.dll"e;, gerado no Windows NT 4.0, sempre que a especificação de arquivos a tabular resultava em uma lista vazia.

A chamada do help no painel de controle, passou para winhlp32.exe o que permite o uso dos novos recursos no help associado ao arquivo DEF. (Comando H no .DEF)

 

Versão 2.1 de 18/01/2002

 

Novas funções:

Criado botão de Copia para clipboard na janela de LOG.

Incluída a opção de selecionar campos para constarem no DBF de saída, no diálogo de Salvar registros do painel de controle da tabulação. Assim o TabWin pode ser usado para criar arquivos DBF com subconjunto dos dados selecionados, substituindo várias das funções do APPENDA.EXE

Ao incluir ou colar uma tabela na tabela atual, os dados de cabeçalho e rodapé da tabela atual não são alterados.

Adicionada a opção de cancelar ao diálogo "e;Salvar tabela atual?"e; ao sair do TabWin.

A opção Gráfico Vazio, no menu Gráfico, foi substituida pelas opções Mostrar form, que apenas mostra o formulário, como o antigo Gráfico vazio e Gráfico novo que remove as séries de dados prepara a criação de um gráfico do início.

Mensagem do diálogo Escolher coluna podia ficar com a mensagem da operação anterior. Corrigido!

Ao incluir ou colar uma tabela na tabela atual, se esta estivesse apenas com a coluna de títulos das linhas, o programa cancelava. Corrigido!

 

Versão 2.0 de 23/05/2001

 

Mudança de tecnologia

O TabWin agora é uma aplicação de 32 bits, utilizando os recursos do Windows 95, 98, Me, NT e 2000. No entanto, não roda mais em Windows 3.11 ou Windows for Workgroups, para os quais deve ser utilizada a última versão em 16 bits, a 1.4.

O arquivo executável chama-se agora TABWIN32.EXE e os arquivos de ajuda TABWIN32.HLP e TABWIN32.CNT.

Há uma sensível melhora de performance, principalmente na tabulação de grandes massas de dados.

É possível, agora, utilizar nomes longos de arquivos.

Não há mais a limitação de 32K nas funções de corte/cole e na edição de arquivos .DEF e .CNV. Assim, não aparece mais a mensagem unable to insert a line em operações que excediam o limite de 32K.

O módulo gráfico está inserido agora no programa, não necessitando das rotinas anteriormente distribuídas (bivbx11.dll e char2fx.vbx. É necessária, porém, a rotina impborl.dll, contida no pacote de distribuição.

No menu de Arquivo, foi criado o item Associar extensão .TAB, que, como o nome indica, associa a extensão .TAB ao TabWin. Com isto, os arquivos com esta extensão podem ser automaticamente abertos pelo TabWin.

Foi possível expandir diversos limites:

Número máximo de...

De

Para

Linhas

8.192

32.767

Colunas

100

255

Vértices por polígono em arquivos .map

8.192

32.767

Arcos em arquivos .E00

8.192

32.767

Incrementos (agora gera mensagem de erro se selecionado mais incrementos que o limite possível)

20

50

Correções efetuadas

Desde a versão 1.33, a opção de Discriminar nas linhas os dados não classificados poderia resultar na não inclusão de alguns dos mesmos no cômputo do total de linhas; corrigido.

Desde a versão 1.4, o uso de linhas em branco em .CNV de código longo passou indevidamente a resultar em erro; corrigido.

Desde a versão 1.4, o uso de comentários na primeira linha de .CNV de código longo passou indevidamente a resultar em erro. Corrigido.

Se o arquivo a ser tabulado não estava disponível (em uso por outro programa, por exemplo), o programa era encerrado; agora, apenas cancela a tabulação.

Nova ajuda

A ajuda do TabWin foi reescrita e complementada com todas as novas características incorporadas.

Novo módulo de gráficos

O módulo de gráficos foi inteiramente reescrito, porém mantém a característica de gerar o gráfico com apenas um clique do mouse, permitindo ainda grande variedade de opções para configuração do mesmo.

Tem suporte para escala logarítmica.

Salva os gráficos em formatos BMP, WMF e EMF.

Apresenta novas opções de gráficos (bolha e seta).

Os gráficos podem ser compostos de séries de vários tipos sobrepostos (exemplo: setor, barra e linha juntos).

Apresenta ampla gama de opções para melhor adequar o gráfico às necessidades.

Consulte o novo arquivo de ajuda para ver todos os recursos agora disponíveis.

Novas implementações e melhorias

Ao tabular vários arquivos, se a estrutura de um deles não contivesse o campo sendo utilizado como linha, coluna, seleção ou incremento, o arquivo era ignorado e a tabulação prosseguia. Agora, a tabulação é cancelada.

Podem ser tabulados arquivos .DBF gerados pelo Visual FoxPro®.

O quadro agora pode ser salvo em formato de planilha Excel® ou SQL (Create e Insert).

Arquivos .DBF podem ser abertos diretamente como quadro.

É possível agora gerar automaticamente arquivos .DEF e protótipos de .CNV a partir de arquivos .DBF existentes.

Para compatibilizar o tratamento de caracteres acentuados nos arquivos .DBF, como adotado no FoxPro®, FoxPro para Windows®, Visual FoxPro®, Excel® e Access®, foi implementada conversão automática de caracteres da página de código 850 (DOS internacional) para a página de código 1252 (Windows ANSI), tanto para leitura de DBF sem especificação de linguagem quanto para os especificados com página de código 850 ou dBase PTB CP850 (padrão BDE para o Brasil). Arquivos .DBF com outras páginas de código não são convertidos. Ao salvar um quadro em formato .DBF, também é feita a conversão das linhas para a página de código 850. Se necessário, estas conversões podem ser desativadas pelo menu Editar/Converter acentos de DBF.

No Painel de Controle da Tabulação, é possível, agora, ativar ou desativar a supressão de linhas e colunas com valores totalmente zerados.

Ainda no Painel de Controle da Tabulação, foi criado um recurso que facilita a marcação das variáveis de linhas, colunas, incremento ou seleção, particularmente útil quando as listas de variáveis são muito extensas. Basta clicar com o botão direito do mouse sobre a lista desejada. Será aberta uma caixa de texto, onde pode ser digitada o texto de pesquisa e clicar em OK. A lista ficará posicionada na primeira ocorrência encontrada. No caso de incremento, serão marcadas todas as variáveis contendo o texto digitado.

 

Versão 1.4 em 02/06/2000

 

Novas funções

Criado o botão Localizar no painel de controle das tabulações, que permite pesquisar por uma sequência de caracteres nas descrições das categorias sendo selecionadas. É especialmente útil quando o número de categorias para escolher é muito grande, como, por exemplo, nomes de hospitais e listas de procedimentos.

Criada a opção Localizar (Ctrl+F) no menu Editar, que permite pesquisar por uma sequência de caracteres nas descrições das linhas. Muito útil quando o número de linhas é muito grande como, por exemplo, nomes de hospitais e listas de procedimentos.

Eliminada a restrição de uso das faixas de códigos em CNV de código longo (Literais). Agora as faixas de valores podem ser usadas em CNVs de código curto e código longo.

No menu de mapa, na opção Editar, foi criada a opção de Selecionar áreas que permite selecionar áreas com um clique do mouse. Funciona criando uma coluna de nome Selecionada, que contém 1 ou 0 se a área está ou não selecionada. Essa coluna do quadro pode ser usada em outras operações.

No menu de Operações, a opção Constante foi substituida por Nova_Coluna - Ctrl+N -, que permite criar nova coluna, não apenas com uma constante, mas com uma expressão aritmética que inclui constantes, valores das colunas existentes no quadro e operações. As colunas podem ser identificadas pelo seu título ou na forma Cnn, em que nn representa o número da coluna. As operações atualmente suportadas são adição (+), subtração(-), multiplicação (*), divisão (/) e potência(^). O total da nova coluna corresponde às mesmas operações realizadas sobre os totais das colunas referidas. Como a coluna é criada do tipo Soma, basta recalcular o Total para se obter a soma das linhas.

Implementada no menu a opção Estatísticas que gera uma janela com um conjunto de estatísticas descritivas relativas às colunas selecionadas.

A importação de arquivos do tipo PRN agora trata também valores em notação científica.

O total das colunas era sempre do tipo Soma. A partir dessa versão, foi implementada opção para vários tipos de total para cada coluna, a saber: SemTotal, Soma, Produto, Média, Inicial, Final, Mínimo, Máximo, Pré-Calculado. O tipo SemTotal faz com que o total não seja impresso e o tipo Pré-calculado faz com que não o total não seja afetado pelo seu recálculo. O total tipo Soma continua sendo padrão.

Com o objetivo de permitir a inclusão de dados de DBFs em que o campo chave foi definido com comprimento maior que na tabela, em Arquivo/Avançado/Incluir campos de DBF, o campo chave do DBF será considerado até o comprimento da chave do quadro ativo, desde que esta não seja zero.

Eliminada a constante Arquivo=, no lançamento do nome do arquivo no log da tabulação, para passar o limite de arquivos de uma tabulação de 1450 para 2300.

Implementado, no menu de ver DBF, a possibilidade a adicionar registros ao arquivo a partir de um arquivo .TXT com os campos delimitados por um caractere escolhido.

Implementada função de ver informações sobre a estrutura do DBF em Ver DBF.

 

Versão 1.33 em 22/11/1999

 

Novas funções

Criadas, no menu de operações, as funções Mínimo e Máximo, que criam uma nova coluna com o menor ou maior valor, respectivamente, entre os valores das linhas correspondentes nas colunas selecionadas.

Criada, no menu operações, a opção Absoluto, que cria uma nova coluna com os valores absolutos da coluna selecionada.

As tabulações podem ser agora diretamente salvas em formato .DBF. Os nomes dos campos serão os nomes das colunas, substituindo-se os espaços em branco pelo caractere _, suprimindo-se a acentuação, convertendo para letras maiúsculas e truncando-se o nome em 10 posições.

A janela de gráficos não é mais modal. Isto significa que tabela pode ser vista e alterada enquanto se visualiza o gráfico. Entretanto, alterações na tabela não se refletem automaticamente no gráfico.

A janela de mapa também não é mais modal. Entretanto, ao contrário do gráfico, as alterações feitas nos dados da tabela vão se refletir no mapa. Assim é possivel, por exemplo, alterar os dados, títulos de coluna ou cabeçalhos sem fechar o mapa.

Criada uma opção, no menu Editar da janela do mapa, que cria uma nova coluna na tabela com as distâncias calculadas a partir de um ponto escolhido no mapa e as posições das legendas de cada objeto na tabela. Para polígonos em geral, a posição da legenda é o centróide e para municipios representa a sede municipal. A nova coluna é gerada ao ser selecionado um ponto no mapa; para visualizá-la, basta fechar a janela do mapa ou clicar na tabela.

Implementada, em Abrir/Importar mapas, a opção de importar diretamente um arquivo de waypoints, gravados pelos GPS da GARMIN e capturados pelo programa PCX5, com a extensão .wpt.

A ocorrência do caractere # no campo de subtotal do CNV indica que os valores daquela linha são considerados como comentário, não contribuindo para o cálculo do total da coluna.

Na exportação da tabela para o formato SPRING foi incluído um diálogo para perguntar o nome da categoria de objetos no SPRING.

Correções

Alterada a leitura dos arquivos .TAB e .PRN para preservar os espaços em branco a esquerda do título das linhas.

Ocorrência do caractere na última posição da descrição da linha fazia com que houvesse perda de linhas na recuperação do arquivo salvo.

Colocar legenda em uma camada não transparente no mapa fazia com que o fundo da legenda fosse pintada com a mesma cor de fundo do objeto.

Alteração de cabeçalhos ou rodapé não marcava o quadro como modificado e portanto o usuário não era avisado para salvar a tabela antes de sair.

Fechar e reabrir a janela de visualizar DBF provocava cancelamento do programa com a mensagem de arquivo não aberto.

 

Versão 1.32 em 03/09/1999

 

Implementado arquivo TABWIN.INI, no diretório Windows que mantém, através das várias sessões, os diretórios de Dados (arquivos DEF), Mapa (arquivos de Mapas) e Salva (arquivos TAB).

Implementada exportação de tabelas no formato SPRING.

Implementada importação de Pline e Text em arquivos MIF/MID gerados pelo MapInfo.

Corrigida a situação quando a salva de registros selecionados provocaria o erro Leitura após o fim do arquivo sempre que os arquivos fossem especificados por lista em formato texto.

Corrigida a situação quando o nome de área, em arquivo importado como .XY do MapMaker, iniciado com um ou mais brancos, causaria erro na importação.

A importação de MapInfo MIF/MID gerava um loop quando um objeto no arquivo MIF fosse de tipo desconhecido do TabWin.

 

Versão 1.31 em 12/07/1999

 

Foi corrigida a importação de arquivos .bnd, gerados pelo Epimap, no formato comprimido, que poderia cancelar com a mensagem de Este programa executou uma operação e será cancelado.

Implantada importação arquivos .XY gerados pelo MapMaker.

 

Versão 1.3 em 29/06/1999

 

No diálogo de Abrir/importar mapa, agora é possível importar mapas gerados pelos softwares de geoprocessamento mais em uso no Brasil, permitindo converter, automaticamente, as bases cartográficas geradas pelos municípios. Assim, o TabWin passa a importar diretamente polígonos, linhas e pontos gerados nos seguintes formatos:

ARC/INFO Exports (.E00)

ArcView Shapefile (.SHP)

Atlas GIS Ascii (.BNA)

EpiMap Ascii Boundary (.BND)

MapInfo Interchange (.MIF)

Criada a possibilidade de salvar as linhas do quadro no formato .CNV, muito útil com mapas importados.

Criado novo diálogo, para o estabelecimento das classes do mapa temático, que permite visualizar o HISTOGRAMA de frequências relativo aos limites das classes em vigor.

Criado, no menu Arquivo/Avançado, a opção que permite compactar e expandir arquivos DBF sem sair do Tabwin, dispensando pois a utilização dos utilitários DOS de linha de comando COMPDBF.EXE e EXPDBF.EXE.

Criada opção, na janela de tabulação, para testar a integridade da compressão do arquivo teste. Isto é feito testando-se o CRC (Ciclic Redundancy Check), criado durante a compressão do arquivo tipo DBC. O uso desta opção, que pode aumentar em 50% o tempo de tabulação, pode ser necessário se houver dúvidas quanto à integridade dos arquivos, podendo ser recomendável em ambientes de rede ou outros em que possa ter ocorrido a deterioração dos arquivos armazenados.

Em ampliações maiores (Zoom), dependendo do driver de vídeo e memória disponível, as áreas externas à região em zoom podiam, indevidamente, se refletir sobre a área de desenho. O problema foi minimizado ao desenhar-se somente os polígonos que tenham pelo menos um ponto dentro da área de zoom.

Uma tabulação, com as linhas definidas a partir de um .DBF, na qual fosse solicitada a discriminação dos valores não classificados, seria cancelada, sempre que houvesse mais de dois items a discriminar. Expandida a capacidade para discriminar até 200 códigos nessa condição.

 

Versão 1.2 em 23/12/1998

 

Alterado o diálogo de abertura de arquivo de definição, permitindo visualizar a descrição do .def (primeira linha) sempre que o arquivo é selecionado.

A opção de salvar planilha atual passou a ser apresentada só após ser confirmada a execução de nova tabulação. Isto facilita a operação do programa, pois era comum perder a planilha ao se clicar, por engano, no ícone de Executar Tabulação.

Corrigidas várias sequências de manipulação, de forma a permitir o cancelamento de operações pelo uso da tecla Esc.

Ao salvar em formato HTML, os valores zerados são substituídos por -.

Nos mapas, os códigos das regiões só serão exibidos como legenda se estiverem também sendo exibidos na planilha (opção Esconder Chave, no menu Arquivo/Avançado).

Para cabeçalhos e rodapé, a caixa de texto permitia textos maiores que 80 caracteres, que eram truncados ao imprimir. Corrigido.

A abertura de arquivo mapa agora inclui também o campo chave na descrição das linhas.

Atualizado o telefone do MS-BBS na janela Sobre.

 

Versão 1.11 em 06/04/1998

 

Se a largura dos nomes das linhas não permitisse a impressão de pelo menos uma coluna de valores em cada página, os resultados eram imprevisíveis, podendo, inclusive, ocorrer o congelamento do programa.

 

Versão 1.10 em 01/04/1998

 

Incluído, no menu de mapa, opção para que os valores delimitadores das classes da variável controladora do cartograma sejam determinados de forma a gerar a mesma frequência de polígonos em cada classe.

Incluída a opção para plotagem de registros de um arquivo de tipo DBF, como camada adicional de um mapa, desde que o arquivo contenha campos de nome LATIDUDE e LONGITUDE, na mesma escala do mapa base.

Melhorada a interface de manipulação das camadas de um mapa, simplificando a especificação da cor das camadas e permitindo configurar o tamanho do círculo a ser plotado.

Implementada função para mover o mapa durante o zoom.

A largura das colunas agora pode ser alterada utilizando-se o mouse, como em outros softwares de planilhas.

As colunas podem ser movidas utilizando-se o mouse (arrastar e soltar).

Corrigida a situação eventual em que a gravação do arquivo .TAB seria incorreta, para tabelas oriundas do Excel.

Corrigida a situação em que as linhas de total poderiam ser impressas de forma truncada se a fonte utilizada fosse mais larga em negrito.

Corrigida a situação de impressão em que, se houvesse apenas uma coluna na segunda página, esta não seria impressa.

 

Versão 1.0 em 08/03/1998

 

Foi criada opção para que, durante a execução de uma tabulação, possa se salvar os registros selecionados em arquivo padrão dBase (.DBF). Desta forma, é possivel selecionar grupo de registros de uma massa muito grande de arquivos e criar um subconjunto somente com os que interessam à pesquisa, e, a partir daí, continuar as tabulações marcando somente o arquivo salvo.

Criado um Menu Principal no formulário Mapa, para permitir operar a operação a partir de teclado, bem como dar uma forma mais racional a manipulação das camadas adicionais.

A visualização das legendas do mapa base passou a ser controlada pelas linhas da tabela e não pelo arquivo .MAP. Áreas cujos nomes não constam das linhas da tabela não terão mais as legendas impressas.

Incluída a opção de, ao se salvar tabelas em formato HTML, incluir cabeçalhos e rodapés padrões, a partir dos arquivos INICIO.HTM e TERMINO.HTM, respectivamente. Estes arquivos deverão estar disponíveis no diretório corrente, no momento da gravação do arquivo.

Foi incluída opção de associar NOTAS TÉCNICAS a linhas, colunas ou células da tabela, clicando-se com o botão direito do mouse sobre o título da linha, título da coluna ou sobre uma célula, respectivamente. A nota então digitada será exibida, em vermelho, na barra de status, sempre que o cursor passar sobre a área referida.

As Notas Técnicas são mostradas no rodapé das tabelas salva em HTML e ao final dos relatórios impressos.

A rotina de impressão foi inteiramente reescrita, permitindo utilizar qualquer fonte TrueType e dividindo a tabela em várias páginas, quando necessário.

Foi incluída opção para visualizar o conteúdo de um arquivo DBF, de forma semelhante ao comando BROWSE do dBaseIII plus.

O número de linhas do quadro passou a ser informado na linha de status.

As colunas de não-classificados não apresentavam as linhas de subtotal calculadas corretamente. Corrigido.

As linhas de rodapé não eram impressas em páginas que contivessem linhas de total. Corrigido.

 

Versão 0.09 Beta em 17/11/1997

 

O programa agora pode ser iniciado a partir de um arquivo de definição (.DEF), simplificando o processo de tabulação. Para tanto, os arquivos .DEF devem estar associados ao programa Tab para Windows. Feito isso, basta clicar duas vezes no arquivo .DEF de interesse, no Gerenciador de Arquivos (Windows 3.x) ou no Windows Explorer (Windows 95). Para associar arquivos de definição ao Tab para Windows, o processo é análogo ao de associação de arquivos .TAB, descrito nas instruções de instalação/operação.

Foi criada uma nova opção para os arquivos de conversão (.CNV), que agora suporta a classificação de variáveis numéricas segundo faixas de valores.

Basta digitar a letra F ou a palavra FAIXAS (sem as aspas) como terceiro parâmetro da linha inicial do .CNV e informar os limites superiores de cada faixa no campo de código do arquivo .CNV, com alinhamento à direita.

Registros marcados como deletados, porém não removidos do DBF pelo comando PACK, não são mais considerados nas tabulações. Este comportamento é coerente com a opção SET DELETED ON do dBase e é o padrão do TABX.

Foi ampliado para 3 segundos o tempo de espera para repintar automaticamente o mapa quando se editam os valores limites das classes.

Ampliado o número máximo de pontos de uma poligonal de uma área de um mapa para 5000.

A repetição de uma tabulação, com aproveitamento das opções da tabulação anterior, após a salva da mesma em um diretório diferente, provocava, eventualmente, a mensagem Arquivo CNV não encontrado. Agora, após salvar (ou não) a tabulação em vigor, é apresentada o diálogo de abertura de arquivo de definições, sendo sugerido o último utilizado. Se for aproveitada a sugestão, será suposto que serão aproveitadas as opções da tabulação anterior.

Foram efetuadas algumas outras correções que melhoraram o desempenho do programa.

Incluído teste para garantir que uma tabulação com seleção somente se inicie se tiver pelo menos uma categoria selecionada.

A existência dos caracteres , ou ; dentro de uma descrição de linha ou coluna provocava aparecimento de colunas zeradas quando da reabertura do arquivo. Corrigido.

Abrir um arquivo mapa pelo menu de arquivos deixava o arquivo aberto. Corrigido.

A leitura de um arquivo .TAB que tivesse mapa incluído não inicializava corretamente o limite inferior da primeira classe resultando em áreas em branco. Corrigido.

A repetição de uma tabulação, com aproveitamento das opções da tabulação anterior, após a salva da mesma em um diretório diferente, provocava a mensagem Arquivo CNV não encontrado. Corrigido com a alteração a sequência das caixas de diálogo para retornar sempre ao diretório das definições.

A discriminação de valores não classificados nas linhas incluia um caractere adicional. Corrigido.

O número de casas decimais, na exibição de valores no mapa, podia não corresponder ao número de decimais da coluna selecionada. Corrigido.

As linhas de subtotal não eram calculadas se nenhuma coluna fosse ativadas. Corrigido.

 

Versão 0.08 Beta em 01/10/1997

 

O cálculo de indicadores pode ser efetuado diretamente pela opção Calcular Indicador, no menu de Operações.

O gráfico de setores passa a mostrar os valores e não as percentagens. Se ainda for desejado o gráfico de setor com as percentagens, bastar calcular a percentagem, através da opção %percentagem, no menu de Operações, e então solicitar o gráfico sobre esta coluna.

O gráfico de barras agora permite barras horizontais.

Os gráficos têm, agora, a opção de ativar barra de cores (Palletebar) e barra de padrões (Patternbar), no botão de ferramentas, permitindo melhor personalização dos gráficos, inclusive para impressoras monocromáticas.

No menu de Arquivos, foi incluída a opção Abrir Mapa, que cria uma tabela baseada nos elementos de um arquivo de mapas com uma coluna de valores zerados, para permitir a edição manual de valores a serem mapeados.

Foi criado um botão de nova camada na tela de mapas, que permite adicionar novas camadas aos cartogramas exibidos. Assim, por exemplo, se tivermos um mapa do Brasil por microrregiões (BRMIC.MAP), podemos adicionar uma nova camada com o arquivo BRASIL.MAP, obtendo-se, então, os limites estaduais.

Foram feitas, ainda, algumas correções em relação à ordenação e supressão de linhas.

A ordenação de linhas em quadro já ordenado nos quais se suprimissem linhas era ignorada quando se tentava reordenar pela mesma coluna. Corrigido.

A supressão de todas as linhas gerava comportamento incorreto. Corrigido.

A impressão de quadro ordenado por coluna em ordem ascendente ignorava a ordem de impressão das linhas. Corrigido.

 

Versão 0.07 Beta em 15/07/1997

 

Foi criada uma caixa de diálogo para perguntar se o usuário deseja salvar a tabela que está sendo exibida na tela. Nas versões anteriores, a caixa Salvar Como era exibida compulsoriamente.

Foi criada uma caixa de diálogo, exibida antes de se iniciar uma nova tabulação, para perguntar se o usuário deseja aproveitar as opções selecionadas na tabulação anterior.

O botão Muda Cores, na tela de exibição do mapa, agora permite escolher a densidade cromática para cada paleta de cores: ascendente (da cor mais clara à mais escura) ou descendente (da cor mais escura à mais clara).

Pequenos acertos na impressão do Mapa para facilitar a impressão de transparências.

A inclusão de uma tabela em outra preexistente, diretamente ou via clipboard, provocava sempre o recálculo dos totais das colunas com resultados incorretos nas médias já calculadas. Corrigido.

A impressão alternada de mapas ou tabelas provocava tamanhos incorretos das letras na impressora. Corrigido.

A lista arquivos na tela de tabulação não entrava em ordem alfabética. Corrigido.

Ministério da Saúde / DATASUS - Departamento de Informática do SUS
Espl. dos Ministérios Bloco G Anexo A, 1ºand - sala 107 Cep:70.058-900 -
Copyright © 2008 - Datasus. Todos os direitos reservados.
Créditos | Acessibilidade |